• Thiago Silveira

Por uma Igreja seguidora do Evangelho


Para quem não entende o papel da Igreja, e mais que é isso, não entende o Evangelho, ao qual a Igreja segue e tenta, ao máximo, colocar em prática, aí vai uma dica: a Igreja não pode e não deve se calar frente aos projetos de morte instaurados no meio do povo, e que no final das contas, só lascam mais ainda com a vida de quem já não tem seus direitos e dignidade garantidos. Claro, a Igreja "não" pode dizer ou apontar que caminho seguir em uma escolha política, mas tem compromisso evangélico de dizer que escolhas não fazer, que escolhas contradizem os ensinamentos de Jesus, quando diz que veio para que todos e todas tenham vida em abundância. Vida digna, vida livre, sem amarras, vida com justiça.

A Igreja é lugar pra todo mundo, todos mesmo, mas, sobretudo, e é sobre isso que fala o projeto de Jesus, para aqueles e aquelas que estão à margem, excluídos, nas periferias da vida, da existência e da realidade cruel que deixa de fora e criminaliza os pobres, as mulheres, os LGBTQI, os negros e negras.

É um tanto quanto contraditório se encontrar em uma comunidade cristã e defender projetos políticos que são análogos ao nazismo, que criminalizam as mulheres só pelo fato de serem mulheres, que pautam a negação dos direitos dos trabalhadores, que instauram o ódio e a barbárie com o discurso da indústria armamentícia (o projeto de Jesus é sempre de vida, arma mata, logo, arma nas mãos da população em geral não é projeto de Jesus), que não tem respaldo político e nem compromisso com o povo porque passou uma vida em cargo público sem aprovação de projetos e seus bens configuram enriquecimento ilícito; que reverenciam torturadores, crime hediondo em todo o mundo...

A Igreja é lugar para todas as pessoas que, de coração aberto, mesmo com suas limitações, se colocam acolhedoras à escuta e prática do Evangelho que sempre agrega, nunca divide, que sempre é de vida, nunca de morte, que sempre acolhe, nunca afasta, que sempre alimenta, e nunca deixa com fome, que sempre aponta caminhos, e nunca deixa perdido na estrada, que é sempre pouso, e nunca relento...

Quando a Igreja, ou seja, o povo que se encontra ao redor do Evangelho e faz comunhão, não se coloca frente à realidade farisaica infelizmente tão presente nos dias de hoje, quando se cala frente aos discursos de ódio, quando faz uma leitura rasa, superficial das Sagradas Escrituras e não ajuda as pessoas a entenderem o projeto de Jesus, essa igreja, na minha leitura, rompe com o seguimento à Jesus, seguindo qualquer pessoa, ou coisa ou divindade, menos Jesus.

Deixemos a diplomacia para as relações internacionais entres os Estados e, com serenidade e prudência, não nos calemos, não deixemos a profecia escorrer nos esgotos podres a céu aberto das periferias. Os poderosos nunca sentirão esse mau cheiro, estão acalentados nas igrejas que afagam seu ego em troca das ricas esmolas.

Ou nos posicionamos ao lado da vida e daqueles e daquelas a quem o Evangelho faz preferência, ou seremos qualquer coisa, menos a Igreja de Jesus.

#Evangelho #Política #Jesus #Eleições2018 #Igreja #Justiça

0 visualização

Assine nossa newsletter e fique por dentro!

Encontre-nos nas redes

  • Curta nossa página no facebook
Juventudes e Espiritualidade Libertadora
Este site é uma iniciativa do coletivo que constrói os Encontros Nacionais de Juventudes e Espiritualidade Libertadora.